Blog

Postado em 01 de Dezembro de 2015 às 09h44

Mais impostos? Burocracia e atraso!

Artigos (20)Notícias (17)
NTIC - Núcleo das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação da ACIC Chapecó Assunto ainda pouco difundido no meio empresarial, a Emenda Constitucional 87/2015, publicada em abril desta ano, trará impactos nas rotinas das...

Assunto ainda pouco difundido no meio empresarial, a Emenda Constitucional 87/2015, publicada em abril desta ano, trará impactos nas rotinas das empresas, que já iniciaram com a “guerra fiscal” entre os estados. “Guerra” esta, motivada pela receita decorrente do comércio eletrônico, que antes da EC nas vendas a consumidores de outro estado, o valor do ICMS era recolhido ao estado de origem. Assim, os estados consumidores viram suas receitas reduzirem à medida que o comércio eletrônico cresce no país e os consumidores deixam de comprar no comércio local.

Com a vinda desta EC toda operação entre estados passa a ter alíquota interestadual, o que necessita de ajustes nas rotinas de tributação dos sistemas emissores de documentos fiscais, o Diferencial de Alíquota(DIFAL) passa a ter recolhimento obrigatório sempre que o destino da mercadoria seja para consumo, fato este que obriga as empresas a indicarem em seus cadastros a destinação dada a mercadoria pelo comprador. Quando o comprador for outra empresa, esta será a responsável pelo recolhimento do DIFAL.

A principal mudança está na venda para consumidor não contribuinte, geralmente pessoa física. Neste caso, a empresa vendedora é a responsável pelo recolhimento do DIFAL, isto implica na mudança de processo das empresas, pois após a emissão da Nota Fiscal terá que emitir uma Guia(GNRE) para o recolhimento do diferencial de alíquota, fato este que impacta diretamente no fluxo de caixa da empresa, devido a ter que realizar o pagamento antes mesmo da saída da mercadoria do estabelecimento

Outro fator importante é o prazo. Estas mudanças passam a ser obrigatórias em 1° de Janeiro de 2016. Para atender a este prazo, as mudanças precisam ser ajustadas e validadas em pleno período de vendas de Natal, o mais complexo para o comércio.
Apesar de ter surgido em função do comércio eletrônico, o texto da lei não traz diferencial quanto a origem da compra, os estados vendedores já prevendo redução de receitas aumentaram suas alíquotas das operações dentro do estado. O que é mais um aumento da já altíssima carga tributária e que não vem sendo divulgado.

No meu entendimento, este processo poderia ser simplificado, tendo em vista que o valor do DIFAL será calculado no documento fiscal, que é eletrônico. Assim já é de conhecimento do Estado no ato da sua emissão. As empresas poderiam permanecer emitindo os documentos fiscais da forma atual e recolhendo o ICMS como o habitual e transferindo a responsabilidade ao estado da empresa vendedora pela transferência dos valores devidos aos estados compradores. Mas daí, o risco passaria a ser de calote entre os estados. Então acaba sendo mais seguro onerar o contribuinte.


Edison Kemerich de Brito
Bacharel em Sistemas de Informação pela Unochapecó, atua na área de Análise e desenvolvimento de sistemas há mais de 15 anos. É sócio da empresa Top System Informática LTDA, na qual é Diretor de Tecnologia. Associado ACIC e Deatec, atual vice coordenador do NTIC.

Veja também

A tecnologia como importante aliada em momentos de crise08/05/16 Conduzir uma empresa nos dias de hoje é uma tarefa muito complexa. Muitos são os desafios do dia a dia e as responsabilidades que são exigidas de um bom gestor. Existem várias questões fiscais, jurídicas, ambientais, gestão de pessoas, administração de ativos. Enfim, um gestor no Brasil necessita de conhecimento em diversas áreas. Nesse......
Empresários de TI são beneficiados com incentivos fiscais14/05/15 O Prefeito de Chapecó, José Caramori, assinou nesta quarta-feira novos decretos de incentivos fiscais para empresas do setor de Tecnologia e Inovação. A concessão de incentivos fiscais em Chapecó faz parte da......

Voltar para Notícias